Como começar a investir?

Desde 2015, enxergo meu dinheiro e minha vida financeira, de outro jeito. Já contei aqui no blog o quanto eu era consumista, o taaaanto que eu gastava com coisas desnecessárias e também, como eu adotei um estilo de vida completamente diferente depois de todos esses erros.

Não se engane, mudar o jeito que se gasta e se consome, não é fácil. Mudar hábitos não é simples. E nenhuma mudança boa acontece de um dia pro outro. Leva tempo, precisa de paciência e do mais importante e desafiador: consistência.

Investir tem um peso. Culturalmente, quando você fala “eu invisto”, é visto como arrogante, milionário ou maluco. E acredite, piora quando você é mulher. A pessoa que investe - seja em ações ou no Tesouro Direto -, venceu o medo, a insegurança e a opinião alheia. RESPEITO, NÉ?!

Aliás, sempre que falo do assunto, medo e insegurança são os dois principais motivos que leva muita gente a simplesmente desistir ou nem começar. E quer saber? Quanto mais você ler, estudar e se cercar do assunto, menos medo você tem.

Parece óbvio, mas aqui vai uma listinha do que fazer pra começar a investir:

1. Estude!

Já dizia minha bisa, nada nessa vida vem de graça. Você precisa QUERER. É a era da informação, do fácil acesso, do Youtube: estude. Leia, assista, escute. O assunto nem é tão chato assim, vai…

Começa pelo simples - Tesouro, CDB, LCIs -, pelo real, pelo aplicável. Faz devagar, no seu ritmo, mas faz! O melhor remédio pro medo, é o conhecimento.

Em 2015, por pura curiosidade, comprei meu primeiro título no Tesouro Direto, mesmo sem saber direito o real motivo - eu só sabia que queria mudar meu bolso! Foi assim… que o medo começou a ir embora!


2. Vá devagar e com o pé no chão

A gente sempre vai ter a sensação que as outras pessoas sabem de algo a mais e que elas estão um passo a frente. E acredite, elas podem estar, mas… tudo bem!

Você não precisa começar a investir em ações, entender tudo de ROI ou fazer day trade. Aliás, você nem precisa saber o que são essas coisas, se não quiser (um dia, você vai querer, mas calma!). Comece devagar, conheça seus limites, saiba onde arriscar por curiosidade. Não precisa ter pressa… aliás, no mercado financeiro, NUNCA tenha pressa!


3. Entenda o porquê

Tanto no hábito de separar uma parte do que você ganha pra investir, até onde colocar esse rico dinheirinho que você fez, o ponto principal é você entender o porquê investir.

Sabendo o motivo, tudo fica mais fácil. Sim! Fica mais fácil deixar de comprar aquela blusinha da promoção, negar um jantar em plena terça-feira num sushi ou gastar com qualquer besteira. Tenha seus objetivos traçados, escritos, registrados.


Mas, se quer meu conselho: deixe a insegurança de lado, comece investindo pra ter segurança.

Achou contraditório? Investir te dá segurança, sim!

Comece seus investimentos pela RESERVA DE EMERGÊNCIA (quem me segue no Instagram, viu minha sequência de stories sobre isso, né?). Esse é o melhor investimento que você pode fazer! Antes de você começar a pensar em objetivos de médio e longo prazo, invista na sua tranquilidade.

Como? Vá guardando um pouco do seu dinheiro, todo mês, até acumular pelo menos seis meses do seu custo de vida (não é o quanto você ganha por mês, é quanto você GASTA).

Mas Aline, não me sobre NADA!!!

Trate essa parte do seu dinheiro como uma conta a pagar. Você PRECISA pagar essa conta. Todo mês, é um custo fixo. Não tem desculpas.

(como diz Le Benincá: dá teus pulo!)

Onde? Em renda fixa! (outra hora, explico melhor a diferença entre renda fixa e renda variável, beleza?) O que você tem que entender, agora, é que esse dinheiro - da sua reserva de emergência - precisa ter duas características:

• liquidez diária (a grana tem que estar disponível pra saque, sempre que você precisar!)

• render sempre acima da inflação (ou seja: esqueça a poupança, tá?)


Os melhores investimentos de renda fixa para RE: CDBs e Tesouro SELIC.

CDBs

Falou em mercado financeiro, falou em siglas. CDB, significa Certificado de Depósito Bancário, e é só. Nada muito complicado, viu?

Agora esquece o que ele significa e foca em como ele funciona: colocando seu dimdim num CDB, é como se você estivesse emprestando dinheiro pra um banco, e recebendo juros por isso. VOCÊ. RECEBENDO. JUROS.

Entendeu? $$$ (é o mais fácil de começar e é lindo ver o dinheiro crescendo!)

Bancos e contas digitais costumam ser as melhores opções pra investir em CDBs. Vale a pena pesquisar, viu? Lembra lá do primeiro ponto? Pesquise! Estude!

Tesouro SELIC

Assim como num CDB, ao comprar um título público do Tesouro, você estará emprestando seu precioso dinheiro e recendo juros por isso. A principal diferença aqui, é que seu dinheiro vai ser usado pelo Governo, financiando áreas como saúde, educação e infraestrutura.

A taxa de rentabilidade é a própria SELIC.

Importante: na hora de escolher, se atente ao tipo de título. Só o Tesouro Selic oferece liquidez diária, beleza?


E, pra quem tem medo: esses investimentos tem garantia do FGC, pra valores de até R$ 250 mil por CPF. Mesmo que aconteça algo muito “ruim”, você não vai perder tudo. ;)

E aí? Finalmente, pronta pra começar a investir?